Logon
Blog

Você conhece o nosso teleatendimento do Banco de Leite?

A gestação é um período transformador, repleto de novidades, descobertas e, também, muitas perguntas

​Para a mulher que está vivenciando tudo isso, todo auxílio é importante e bem-vindo, principalmente no que diz respeito às dúvidas referentes à uma parte especial e muito esperada da gravidez: o aleitamento materno. Em meio ao isolamento social e à pandemia pelo novo coro​navírus, muitas futuras mamães se depararam com novas questões que precisam ser solucionadas de uma forma eficaz e segura, e é justamente dessa forma que a Maternidade Brasília decidiu fazer presença.

A importância dessa rede de apoio

“Nosso maior objetivo é promover, proteger e incentivar o aleitamento materno. Com isso, desenvolvemos trabalhos para auxiliar as mulheres-mães no período da amamentação e oferecemos o acompanhamento de profissionais qualificados, para também orientar sobre a saúde da criança”, explica Larissa Sena, Enfermeira Referência do Banco de Leite da Maternidade Brasília.

A especialista ainda ressalta que o apoio, o acolhimento, e a transmissão de segurança para as puérperas e gestantes, fazem com que essas mulheres possam contar com uma ajuda a mais nesse momento tão especial de suas vidas. Nesse período delicado, em que vivemos uma pandemia viral, o teleatendimento vem ainda para transmitir conforto e sensação de companhia às gestantes em isolamento social, visando sua permanência dentro de casa, através de soluções às problemáticas da amamentação, sem necessidade de que se desloquem até o ambiente hospitalar.

Como funciona o teleatendimento do Banco de Leite?

O Banco de Leite realiza o teleatendimento através de vídeochamadas, de forma individualizada e humanizada, solucionando as dúvidas mais frequentes relacionadas à amamentação. Para ser atendida, basta ligar em nosso número (61) 2196-5318, e será feito o agendamento. Nossas especialistas estão aptas a conversar sobre quaisquer questões relacionadas ao leite materno, mas os tópicos mais buscados pelas futuras mamães são:

- Qual é a maneira certa de massagear os seios antes da ordenha?

– Como posso fazer a ordenha de leite materno manualmente?

– Minha pega e meu posicionamento estão corretos?

– Como devo armazenar o leite humano?

– Preciso de apoio emocional nesse momento.

É sempre bom lembrar: doar leite materno salva inúmeras vidas!

Doar leite materno é doar vida para milhares de bebês prematuros internados nas UTIs Neonatais. Além de ser o melhor alimento possível para um recém-nascido, os ganhos são duradouros e podem se refletir por toda a vida – como, por exemplo, a diminuição dos riscos de desenvolvimento de doenças graves (diabetes, hipertensão e colesterol alto). No caso dos prematuros, o leite materno doado ainda aumenta as chances de uma recuperação mais rápida, além de protegê-los de possíveis infecções, diarreias e alergias que poderiam piorar um quadro já tão vulnerável.

A lactente que deseja ser doadora deve apresentar excesso de leite, ser saudável, não usar medicamentos que impeçam a doação e se dispor a ordenhar e a doar o excedente. A enfermeira Larissa Sena ressalta que as mamães recebem todo o apoio e as devidas recomendações dos profissionais habilitados e capacitados, para que se sintam mais seguras e confortáveis com a situação. “Entramos em contato com a doadora, passamos todas as orientações e realizamos a busca na casa delas de forma segura, seguindo todos os devidos protocolos em vigor nesse momento”, complementa a especialista.

O leite humano doado, após passar por processo que envolve seleção, classificação e pasteurização, é distribuído com qualidade certificada aos bebês internados em unidades neonatais. Se você está amamentando, entre nessa corrente do bem e ajude os inúmeros pequeninos que precisam – qualquer quantidade de leite materno doado é muito importante. Para esclarecer qualquer dúvida, entre em contato com o nosso Banco de Leite Humano, através do telefone (61) 2196-5318. O ato solidário de doar leite materno humano significa devolver esperanças para uma criança e sua família.

Fonte: Larissa Sena, Enfermeira Referência do Banco de Leite da Maternidade Brasília.


Veja mais