Logon
Blog

Anestesiologista: o que faz e quando consultar

Procedimento garante maior segurança e conforto ao paciente

​​​​​Um profissional fundamental na equipe cirúrgica que frequentemente opera nos bastidores, garantindo que você passe por procedimentos com segurança e conforto; esse é o anestesiologista. 

Mas você sabe qual é a importância de se consultar com este profissional e quando é o momento certo? Continue a leitura e saiba mais sobre o tema.


 

O que faz o Anestesiologista? 

O anestesiologista desempenha um papel fundamental na equipe cirúrgica, focado em garantir que o paciente esteja confortável, livre de dor e em um estado de bem-estar durante procedimentos cirúrgicos ou diagnósticos.
Isso é alcançado por meio da administração de anestesia e da monitorização das funções vitais do paciente durante todo o processo. 


Importância de uma consulta com o Anestesiologista antes de procedimentos cirúrgicos 

Primeiramente, a consulta é realizada com o intuito de oferecer conforto e segurança ao paciente e evitar adiamento de cirurgias ou prolongamento de internações. É durante o atendimento que o anestesiologista deve estabelecer uma relação de confiança com o indivíduo, além de esclarecer dúvidas sobre o procedimento cirúrgico. 

A consulta deve ser realizada previamente a qualquer cirurgia eletiva (agendada), pois é fundamental ter um conhecimento antecipado das condições clínicas do paciente. 

No caso de obstetrícia, a consulta com o anestesiologista também é importante para discutir as opções de anestesia durante o parto, seja ele natural ou cirúrgico (cesariana). Isso permite que a família tome decisões informadas e se sinta mais segura durante o processo. 


Tipos de informação que o Anestesiologista coleta em uma consulta antes da cirurgia 

Durante a consulta pré-anestésica, o especialista pode levantar questões como:

  • Peso e altura; 

  • Tratamentos de doenças prévias ou atuais; 

  • Histórico cirúrgico realizados pelo paciente e de familiares com anestesia e/ou cirurgia; 

  • Uso de medicações ou suplementos; 

  • Alergias ou mal-estar com alguma medicação, ou substância. 

Por meio dessas questões, o anestesiologista elabora diagnósticos, considera a eventual necessidade de exames adicionais, além de verificar a possibilidade de consultar outros especialistas para garantir a segurança do paciente. 

 


Tipos de anestesia 

Existem os seguintes tipos de anestesia:

  • Sedação: o paciente recebe medicamentos para induzir um estado de relaxamento e sonolência, mas permanece consciente e capaz de responder a estímulos. ​

  • Local: usada para adormecer uma área pequena e específica do corpo. Geralmente, é aplicada na pele ou em tecidos superficiais antes de procedimentos cirúrgicos menores, ou tratamentos médicos. 

  • Geral: usada para induzir a perda completa de consciência e sensação em todo o corpo. 

  • Bloqueios nervosos guiados por ultrassonografia: trata-se de um tipo de anestesia nos quais um ultrassom é usado para visualizar em tempo real a posição dos nervos antes da administração de anestesia ou tratamento da dor. 

  • Anestesias no neuroeixo: incluem a raquianestesia e a anestesia peridural, ambas envolvendo a administração de anestésicos na região próxima à medula espinhal. 

 

O que é analgesia do parto? 

O termo "analgesia" se refere à eliminação da dor, enquanto "anestesia" implica na supressão de outras sensações. Portanto, na analgesia de parto, o objetivo é proporcionar alívio da dor sem interferir nas outras sensações, como o toque, a pressão e a função motora.

Para alcançar esse objetivo na analgesia de parto, utiliza-se a mesma via de administração da cesariana, mas com medicamentos em doses e concentrações diferentes.  

É importante destacar que a analgesia de parto não prejudica o processo de trabalho de parto; pelo contrário, muitas vezes facilita esse processo, pois uma paciente sem dor consegue ser muito colaborativa e atuante, possibilitando a descida do feto antecipando o trabalho de parto. 


 

Anestesia para o parto natural 

Durante um parto normal, é possível aliviar a dor sem causar paralisia nos músculos, graças a bloqueios no neuroeixo, por meio da anestesia, e ao uso de doses baixas de medicamentos.  

Atualmente, a abordagem mais segura e avançada é a combinação de bloqueios raquidianos e peridurais, conhecida como duplo bloqueio. Essa técnica de anestesia oferece alívio da dor e permite que as doses analgésicas sejam repetidas sem a necessidade de realizar novas punções, devido à instalação de um cateter conectado ao espaço peridural próximo à coluna.


Anestesia para o parto cesárea 

Na obstetrícia, é importante que a mãe esteja consciente e participe plenamente do momento do parto. Portanto, a raquianestesia é frequentemente a opção escolhida, pois proporciona uma anestesia profunda, relaxamento muscular eficaz e alívio da dor, tudo isso sem afetar a consciência da paciente. Dessa forma, a mãe pode estar bem anestesiada sem a necessidade de perder ou reduzir sua consciência.​ ​

Veja mais