Logon
Blog

Aborto espontâneo: quais são as causas e sintomas

O aborto espontâneo pode causar sintomas como dores no abdômen, sangramento e contrações. Saiba mais no blog.

​O aborto espontâneo é quando há uma interrupção involuntária da gestação antes de 20 semanas de gravidez, embora a viabilidade fetal se inicie com 26 semanas. Essa ocorrência surge normalmente por uma má formação do feto, em maior parte dos casos, devido a alterações genéticas, ou mesmo a infecções provocadas por bactérias ou vírus. Essa perda, dolorosa emocionalmente, precisa de atenção e cuidado médico adequado.

Caso ocorra um sangramento durante a gestação, associado ou não à dor, deve-se procurar um pronto-socorro logo após o aparecimento dos sintomas, assim, será feito o diagnóstico e minimizados os riscos de complicações graves como a sepse, por exemplo.

Nesse blog, o Dr. Marcus Vinícius de Paula, ginecologista e obstetra da Maternidade Brasília explica o que é, as principais causas e como evitar. Saiba mais na leitura completa!

O que é aborto espontâneo?

Conforme explica o Dr. Marcus Vinícius de Paula, o aborto espontâneo é quando ocorre a eliminação do embrião ou feto, a morte do embrião de forma involuntária ou mesmo quando há o óbito do embrião antes de 20 semanas de gravidez. A gestação apresenta risco quando há um sangramento na vagina sem que exista a dilatação cervical nesse intervalo de tempo.

"O diagnóstico do aborto espontâneo é feito por meio de exames clínicos e ultrassonografia. O tratamento indicado é manter a observação quando existe uma ameaça de aborto e, no caso de ter acontecido um aborto espontâneo, manter a observação clínica ou realizar o esvaziamento uterino", explica o médico.

Quais são as principais causas de aborto espontâneo?

Os principais fatores de risco que podem levar ao acontecimento de um aborto espontâneo são:​

• mudanças hormonais;..

• má-formação do feto;

• síndrome dos ovários policísticos;

• problemas no útero e colo do útero;

• doenças da tireoide;

• infecções por vírus ou bactérias;

• diabetes;

• peso baixo;

• obesidade;

• trombofilia;

• doença celíaca;

• doenças autoimunes;

• histórico de abortos espontâneos;

• gestação depois dos 35 anos;

• uso de dispositivo intrauterino (DIU);

• consumo elevado de bebidas alcoólicas ou de cafeína;

• uso de drogas;

• tabagismo.

Antes mesmo de engravidar, busque orientação médica para avaliar os riscos e iniciar o tratamento de doenças.

Quais são os sinais e sintomas de aborto?

Os primeiros sintomas de aborto espontâneo surgem normalmente nas 12 primeiras semanas de gravidez. Algumas vezes, não são percebidos pela gestante ou são confundidos com outros quadros, até mesmo com a própria menstruação quando ocorre logo nas primeiras semanas. Conheça os sinais mais comuns:​

• sangramento vaginal;

• dor abdominal;

• calafrio ou febre;

• diminuição de sinais da gravidez, como enjoo e sensibilidade nos seios;

• corrimento com mau cheiro na vagina;

• saída de coágulos de sangue pela vagina.

Buscar um pronto-socorro e atendimento médico imediatamente é imprescindível. Isso deve ser feito logo que surgem os primeiros sintomas de aborto espontâneo. Isso é fundamental para o diagnóstico e tratamento adequado.

Leia também sobre cólica na gravidez.

Suspeita de aborto espontâneo: o que fazer?

Em casos de a gestante demonstrar alguns dos sintomas citados anteriormente, a recomendação é ir imediatamente ao médico para a realização de exames e para saber como está a gravidez e se há riscos. Nessa ocasião poderá ser indicado um repouso, uso de alguns medicamentos para relaxamento do útero e evitar contrações.

Como prevenir o aborto espontâneo?

Embora não exista uma maneira direta de prevenir um aborto espontâneo, é possível sim ter algumas ações que contribuem para diminuir esse risco. A principal forma é controlar os fatores de risco que citamos anteriormente.

Abortos espontâneos recorrentes: o que pode ser?

O aborto recorrente ou de repetição é quando uma mulher já teve três ou mais abordos espontâneos. Cada caso requer uma avaliação da paciente para entender o motivo. Entre as causas mais comuns que levam a isso, são:  ​

  • motivos anatômicos;

  • causas genéticas;

  • pólipos endometriais;

  • leiomiomas uterinos (miomas);

  • incompatibilidade istmo-cervical;

  • problemas uterinos;

  • doenças autoimunes;

  • trombofilias;

  • doenças reumatológicas.

Vale destacar que é possível diagnosticar, avaliar e acompanhar as mulheres que passaram por abortos de repetição.

Maternidade Brasília

A Maternidade Brasília conta com centros de referência em pediatria, obstetrícia e ginecologia e dispõe de leitos em Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) e apartamentos. Contamos com um corpo clínico especializado, além de tecnologia que facilita a estadia na maternidade, como prontuários eletrônicos, checagem medicamentosa à beira do leito e disponibilidade de exames digitais. Nosso ambulatório, os Consultórios Médicos Brasília, fica a poucos metros da Maternidade e oferece especialidades médicas exclusivas para mulheres e crianças.

Você pode agendar sua consulta com um de nossos especialistas, por meio da nossa Central de Agendamento Online ou ligando no número 4020-0057. ​

Veja mais